RSS

IV - A Marcha-Plágio*

Porque a imaginação não se encontra à venda em lado nenhum (tal como o juízo) temos também a marcha-plágio.
Este ano em especial deu-se o  boom, da marcha plágio, denotanto não alguma fraca qualidade, mas um factor tipicamente nazareno... a imitação! Seguir a moda é apanágio da terra e parece-me que aqui é mais isso que propriamente falta de inspiração, tendo nós musicalmente varios bons executantes...
O conceito é simples: pega-se numa melodia de uma canção pimba, troca-se a letra por meia dúzia de lugares comuns e já está. Marco Paulo, Carlos Paião, José Malhoa, entre outros, já foram vítimas deste ataque impiedoso às suas obras musicais. Tony Formiga (és o maior!) ainda não foi plagiado o que para mim é uma tremenda injustiça.
Mas nem tudo é mau. Salvo raras exepções o milagre acontece e a versão plagiada fica melhor que a original perdurando no ouvido não deixando ninguém indiferente. Exemplo disso são "Os Talcanas"  que são precursores deste estilo de composição e que, desde 2006 com a famosa "Vida é Bela" tem conseguido esse feito de com uma letra divertida, bem encaixada na música e produzir um plágio digno de ser ouvido. Esperemos que não nos desiludam este ano...
O que foi o caso das Bastionas no ano passado com uma letra horrível, a par da de este ano já agora. Lembro o refrão do ano passado: "Quem é a gostosona aqui...". Por acaso, estava no café quando saíu a marcha e ouvi uma senhora da praia a comentar com outra quando ouviam na rádio a referida marcha: " á melheres, que marcha é esta?! Quem é que estaciona , aqui?! ... que horror...."
Na maior parte das vezes, os autores das marchas-plágio conseguem fazer aquilo que os verdadeiros autores nunca conseguiram fazer por moto próprio: é que depois de ouvirmos 3 ou 4 vezes as marchas-plágio ficamos a adorar as músicas originais… Ele há coisas…

* em co-autoria plagiada com Tacoa 2010

1 Comentários:

zumuha disse...

Quem é que estaciona aqui??
Muito bom!!

Mais uma lição completamente assimilada... venha a seguinte!

Bem haja R.